Empreendedorismo

Contratos Livres

tiflux
5 de julho de 2018

Compartilhe:

Você já leu nosso artigo sobre a importância de contratos para TI? Então você notou ou já sabia que existem diversas maneiras de negociar serviços com seus clientes. Vamos trabalhar hoje uma dessas maneiras, entendendo melhor tudo relacionado a Contratos Livres. Boa leitura!

Máquinas de Escritórios Atendidas Por Contratos Livres

Em relação aos demais contratos

Por que começar falando sobre esse contratos?

Porque eles podem se tornar uma armadilha para os prestadores de serviço desavisados.

Todo contrato precisa ser pensado de modo a beneficiar os dois lados do acordo. Por isso é importante conhecer o cenário do cliente e as suas necessidades. Não há nada de misterioso em questão de prazos e modelo de pagamento, são comuns a todos os contratos. Já o escopo de trabalho de cada contrato pode ser diferente e é aí que entra a análise de negociação.

Há um escopo de serviço que deve ser explicado para os clientes, para não ser mal compreendido e excedido. Isto é o que iremos abordar.

Livre com limites

Os contratos livres não são sem limites apesar de o nome poder dar essa conotação.

Eles, na verdade, não possuem limite de horas e nem de deslocamentos. Seu escopo, normalmente, é a quantidade de equipamentos (software ou hardware) cobertos pelo contrato. Ele pode também determinar quantas vezes um serviço específico (firewall, monitoramento de backup, e-mail, hospedagem) do catálogo pode ser realizado por mês. 

Por que fazer contratos livres

Existem alguns fatores que contribuem na decisão de negociar esse tipo de contrato. De modo geral os contratos livres são indicados para clientes que confiam na prestadora de serviço. Como assim?

Em alguns cenários, clientes com muitas máquinas em inventário tendem a possuírem máquinas obsoletas. Contratos livres nesse caso podem gerar algo negativo para a equipe de TI. Se o cliente não compreender a má situação das máquinas ou a necessidade de atualização de hardware ou software, haverá uma sobrecarga de trabalho, prejudicando a prestadora de serviços. Se o contrato for de horas ou crédito, esses valores serão consumidos rapidamente por problemas que podem ser solucionados com a aquisição de novos materiais. O que é prejudicial para o cliente.

Em resumo: Um cliente que visivelmente irá buscar resolver problemas definitivamente, dando ouvido aos conselhos técnicos e propenso a investir em sua empresa, é o mais adequado para Contratos Livres. Ele gastará um valor abaixo da média por trabalho, mas estará disposto a realizar gastos extras para resolver problemas e reduzir os tempos de manutenção.

Características e precificação

Para precificar os contratos livres é necessário calcular uma média de gastos mensais do cliente, por máquina. Reconhecendo um padrão de manutenção pode-se atribuir a média a uma cobrança por equipamentos do contrato. Assim tudo aquilo que será cobrado pelas manutenções das máquinas fora praticamente previsto, e independente das atividades realizadas no mês, o valor continua sendo fixo.

Resumindo em poucas linhas, os contratos livres são:

    • Sem limite de horas e deslocamentos para ser utilizada;
  • Mesmo valor mensal sempre, sem nenhum excedente;
  • Valor cobrado por máquina ou serviço baseado em uma previsão de manutenção média.

Suporte às máquinas

Informações da negociação

Na parte de faturamento da sua empresa, sua equipe precisa dos dados negociados com o cliente. Vou explicar as informações que devem estar em mãos e como ela impactam o processo:

  1. Permissão para renovação: Se o cliente permitir, equipe financeira é livre para criar um novo adendo com as mesmas informações do contrato anterior, na expiração do contrato. Quando sua equipe for realizar essa renovação, ela pode aplicar índices de correção de valor (IGPM por exemplo). O contrato novo é enviado para o cliente, já avisado anteriormente e tendo conhecimento de que haveria uma renovação “automática”;
  2. Recursos cobertos: A quantidade máxima de recursos é muito importante para você que tenha um contrato livre com limite de recursos (computadores por exemplo) incluídos no contrato. Entre você e o cliente é possível especificar quais são os equipamentos cobertos, ou apenas um número de computadores que podem receber suporte por mês;
  3. Preço por recursos adicionais: É atribuído a softwares ou hardwares não cobertos pelo contrato, ou por manutenções em mais computadores do que o acordado. 
  4. Valor: O preço oficial do contrato, negociado com seu cliente. Se você negociou um valor anual, trimestral ou outro ciclo, basta fazer a divisão do valor.

É o contrato ideal?

Como já falamos, os contratos livres são adequados para um perfil de cliente e serviço. Há cenários que precisam ser estudados e a relação entre as empresas envolvidas precisa ser madura.

No entanto, há casos em que Contratos Livres não serão bons. Para que os envolvidos na negociação se satisfaçam, existem mais do que esse tipo de contrato. Para toda necessidade de uma empresa, há um contrato adequado. Por isso continuaremos produzindo a nossa série sobre os tipos de contratos, onde abordaremos ainda:

Que essa leitura possa te ajudar a compartilhar conhecimento pelo ecossistema e aumentar cada vez mais os lucros da sua equipe de TI.

Abraços. Até mais!

Deixe o seu comentário