Empreendedorismo

Como aplicar IGPM em contratos

tiflux
13 de dezembro de 2018

Compartilhe:

Você faz ideia de como aplicar IGPM nos seus contratos? Vamos falar hoje sobre como fazer isso usando o panorama das empresas de TI para auxiliar o cálculo de reajustes. Vamos lá?

Se tem algo que deixa gestores de empresas confusos é o reajuste anual dos contratos mensais. São várias as dúvidas de como proceder. Quais as melhores práticas? O que levar em conta? Qual índice utilizar? Como lidar com possíveis reclamações de clientes?

Muitas empresas optam por não proceder com reajustes, com medo de seus clientes rejeitarem, reclamarem ou até cancelarem os contratos.

Se você tem uma entrega de serviços de qualidade, isso não pode ser uma preocupação para você.

Vamos desmistificar melhor o IGPM. Por que é saudável que sua empresa atualize os contratos com seus clientes anualmente?

O que é esse tal de IGPM?

O IGP-M é um indicador muito importante para nossa economia e diversos setores como o de imóveis. A sigla quer dizer Índice Geral de Preços do Mercado, e é calculado mensalmente pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Ao final de cada ciclo de 30 dias, eles divulgam o resultado e o mercado se baseia nele para tomar diversas decisões.

O índice do IGPM é usado em larga escala para a atualização de muitos contratos. No mercado imobiliário (aluguel), nos contratos de prestação de serviços e em muitas outras situações que requerem atualizações periódicas.

Por que aplicar o IGPM?

Provavelmente você já deve ter ouvido que o dinheiro muda ao longo do tempo. Isso quer dizer que com os mesmos R$ 100,00 de 4 anos atrás não é possível comprar as mesmas coisas hoje. Isso ocorre porque o dinheiro perde o seu valor com o passar do tempo. Como? A inflação. Ela corrói o poder de compra do dinheiro.

Todas as empresas têm custos que aumentam sistematicamente de acordo com a inflação. Desde o dissídio coletivo (salários de funcionários) até contas como energia e internet. Se os custos aumentarem mas o faturamento não os acompanhar, o lucro pode diminuir até não existir mais.

Cenário de uma empresa que não aplica IGPM

Imagine que estamos em 2014 e falaremos de uma empresa que fature R$ 45 mil por mês, com um custo de R$ 35 mil já descontando todo o salário do pessoal, inclusive do gestor que normalmente é um sócio.

É uma situação bem confortável. Sobram R$ 10 mil todo mês, um lucro de pouco mais de 20%. Normalmente esse percentual de lucro não é fácil de atingir, mas vamos imaginar um cenário muito confortável de modo que o gestor não se importe em aumentar os contratos para não incomodar os clientes, pois para ele está muito bom.

Agora vamos fazer o cálculo dos custos até o presente dia. Afinal, os funcionários recebem aumento (dissídio). A luz, a gasolina, a água e tudo mais aumentou. O IGPM é um bom indicador para medir essa variação de aumento.

Fonte: https://www3.bcb.gov.br/CALCIDADAO/publico/exibirFormCorrecaoValores.do?method=exibirFormCorrecaoValores&aba=1


Note que com essa atualização monetária de míseros 4 anos, o lucro dessa empresa simplesmente sumiu. Empresários já sabem de onde sairá esse dinheiro.

É óbvio que esse é um cenário hipotético e esta empresa poderia ter conquistados mais clientes, poderia ter perdido clientes, poderia ter que contratar mais pessoas, ou demitir. Enfim, tudo poderia ser diferente. Mas essas variações poderiam no máximo atrasar esse resultado ou ainda acelerar ele.

É comum de ver empresas no vermelho só por desprezarem uma realidade tão latente como esta. Precisamos entender que o dinheiro varia em razão do tempo. Esse conceito é essencial para gerenciamento de empresas assim como é super importante para quem faz qualquer investimento.

Automação de reajustes no TiFlux

O TiFlux é o melhor sistema de Service Desk para profissionais de TI. Dentro do TiFlux você atua desde a abertura dos chamados dos seus clientes, atendimentos, monitoramento de ativos dos clientes, acesso remoto, e depois de tudo feito ainda faturar e cobrar pelos seus serviços prestados, tudo em uma única solução.

Um dos grandes pilares do TiFlux é a gestão de contratos recorrentes, o TiFlux gerência 6 tipos de contratos diferentes, além de atividades com cobrança avulsas e variáveis. Quer saber mais sobre contratos? Leia nosso artigo.

Dentro do TiFlux é possível cadastrar os contratos com uma data de expiração, habitualmente 12 meses. No ano seguinte é possível gerar um adendo contendo a atualização monetária dos valores negociados com o cliente. Para não esquecer da atualização dos contratos, existem notificações por e-mail que avisam alguns dias antes do contrato expirar.

Não sabe como calcular o IGPM para os contratos? Use essa calculadora do Banco Central. Caso tenha dúvidas, também podemos lhe ajudar. Estamos comprometidos com o seu sucesso!

Experimente Grátis o Service Desk da TiFlux

Deixe o seu comentário

Comentários (1)

TIFlux - fernando

fernando

14 de agosto de 2020 - 23:46

muito bom !